História

Fundação: 1989

Aniversário: 1 de junho

Gentílico: canedense

População: 115.371 habitantes

Área: 244,745 km²

Ver no mapa

As primeiras tradições rurais da cidade, logo tiveram novos rumos junto à chegada do trem. Porém a modernidade trazida pelos trilhos, não tirou do município valores históricos e culturais que se encontra em ruas, nas construções mais antigas, nas festas e tradições deixadas pelos pioneiros.

Senador Canedo é sede do maior Pólo Petroquímico do Centro-Oeste brasileiro, localizada na região metropolitana de Goiânia, possuindo uma localização geográfica privilegiada, com acesso aos principais centros de distribuição de passageiros, cargas e de comercialização.

O seu desenvolvimento econômico e social é referência em Goiás e no país como uma cidade que obteve grande crescimento econômico e habitacional. A cidade é um dos maiores arrecadadores de ICMS e a quinta mais competitiva, de acordo com dados da Secretaria de Planejamento do Estado de Goiás. Com um amplo crescimento no setor de serviços, na área de habitação e comércio em geral.

Localização estratégica – Fácil acesso a importantes rodovias de integração estadual e federal, com vias de acesso ao Porto Seco de Anápolis e Aeroporto Santa Genoveva, importantes centros de distribuição.

Potencialidades de mercado – A cidade fica a 180 quilômetros de Brasília e 900 quilômetros de São Paulo e integra a região metropolitana de Goiânia, tem um total de 1.766.588 habitantes, 33,29% da população do estado.

Empresas e Indústrias de Destaque: Distritos Industriais com empresas do setor moveleiro, confecção, cartonados, cerâmicas, alimentícias, químicas, entre outros.

Pólo Petroquímico: sede da subsidiária da Petrobrás – Transpetro, empresas do ramo de combustível, gás GLP e derivados de petróleo.

Histórico da Cidade

Por volta das décadas de trinta e quarenta, a região onde hoje é o município de Senador Canedo, era composta por grandes fazendas, distantes uma das outras. Terras que até o início do século XX pertencera ao Senador Antônio Amaro da Silva Canedo, nas décadas de trinta e quarenta, e que depois ganharam outros donos. A região tornou-se rota das grandes boiadas que saíam do norte do País ou do norte do estado de Goiás e eram conduzidas em direção à região Sudeste. A comitiva levava meses para chegar a seu destino. O pouso das boiadas era feito a cada trinta quilômetros.

O município de Senador Canedo possuía duas regiões onde eram os pousos das boiadas. A região do Bonsucesso (Batata) e a região Bonito, divisa com o município de Bela Vista de Goiás. Entre os moradores da época na região onde hoje é Senador Canedo listavam os seguintes fazendeiros: Dona Coracy, Dona Delfina Araújo, Dona Maria Evaristo, os senhores: Firmino Rodrigues, Antônio Canedo, Orlando Ribeiro, Senhor Joventino, Senhor Elizeu, Senhor Joviano, Sérgio Araújo, Eliziário Cícero Viera, Antônio Pedro, Senhor Porfírio, Joaquim Lino, Senhor Benício, Senhor Ademário, Doutor José Camilo, Benedito Cândido, João Rodrigues, Pedro Semino, Chico Roldão e Joaquim Capoeira. As fazendas da região eram cultivadas com grandes lavouras de fumo, o que dava serviço temporário aos filhos dos agregados dos fazendeiros. E uma parte de criadores de bois, com agricultura voltada para o sustento e também para trocas.

Chegada da Ferrovia

A implantação da estrada de ferro, a Rede Ferroviária Federal S/A, na década de 30, mudou completamente a estrutura do povoado. Com a chegada da ferrovia foi montado um grande acampamento, no local onde atualmente está a velha usina de cozinhar dormentes. O local era, e ainda é muito plano, por isso deram nome ao local de Esplanada. Com o movimento da construção da ferrovia muitos agregados dos fazendeiros ficaram com vontade de morar em Esplanada, para ficar mais perto da Estação.

Surge então o primeiro loteamento de propriedade de dona Natália Ambrozina, o loteamento recebeu o nome de Vargem Bonita e ficava abaixo da Estação. A primeira rua aberta foi a José Calaça, depois a Salatiel e assim por diante. A Estação recebeu o nome de Senador Canedo, porque naquela época, todas as Estações construídas recebiam o nome de um político importante. No período Antônio Amaro da Silva, influente fazendeiro da região tinha renome nacional como senador da República.

Em 1953, o povoado foi elevado à condição de Distrito de Goiânia. No início da década de 80, Senador Canedo experimentou um crescimento populacional, com a chegada do transporte coletivo e o projeto Goiás Hortigranjeira, aumentou a demanda por novas escolas de ensino fundamental, o ensino médio que até o momento ainda não havia sido implantado, consolidou-se com a construção do colégio Pedro Xavier Teixeira. Neste período já eram grandes os rumores de emancipação política, só que a maioria da população não estava a par do movimento e nem sabiam o significado de tal feito.